Esta edição da Nevoazul surgiu como uma bruma passageira, discreta e observadora, que nos deixou entregues a quem somos e aos mundos que queremos descobrir. Talvez por isso possa parecer estranho que o tema escolhido para este número tenha sido o ruído e as várias formas como ele se manifesta. Nós acreditamos que falar em ruído é mais do que falar no barulho que nos incomoda, ou no som que irrita o nosso ouvido. Mais do que tudo, é a existência de algo à nossa volta que nos tenta distrair. Por vezes, este mar informativo parece que nos emerge, deixando-nos em águas turvas, sem uma bússola para nos orientar. Mais do que um mapa, queremos que esta revista seja uma espécie de icebergue, um aglomerado de gelo, cujo topo, nos permite ver mais além. Nesta revista vais poder encontrar diversas referências ao cinema, à música e à ilustração que nos fizeram ponderar no significado de ruída e na forma como o podemos contornar.